Mostrando postagens com marcador devaneios. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador devaneios. Mostrar todas as postagens

27.10.17

O primeiro era uma alma livre, o segundo era um trabalhador nato. Ele amava classicamente. Talvez acreditasse ser até eternamente. Era um trabalhador porque em seu mundo tudo proviera do trabalhar, do trabalhar duro e suado. E esse era o seu sonho. Trabalhar, casar, ter suas coisinhas, criar a sua família, envelhecer, morrer. Não queria nada além disso e de suas coisinhas, nada de coisonas, nada. Pensei: 'que ótimo, que simples!'. Mas sobre o amor, era aquele amor meio doce, meio amedrontador que todo o homem extremamente apaixonado acaba por criar. Era uma criança brincando de casinha, debruçando-se sobre desejos infantis.






 Aquilo eu não poderia acompanhar, então desisti de ser mais uma personagem daquela ilusão. 

16.8.14

- Se eu me apaixonar minha vida será feliz?
-é claro
- como tem tanta certeza?
- não sabe das alegrias de estar apaixonado? é uma verdade mantida desde o início dos tempos.
- só haverá felicidade?
- contanto que não se apaixone demais.qualquer coisa em excesso só traz dor.

4.7.14

...

                     Preciso contar um segredo: vou e volto no tempo. Se me perguntassem o porque, não saberia responder. Evoluo e regrido, me perco pelos instantes. Sinto que estava lá, mas ainda estou aqui. Certas vezes me questiono se não são os outros que não seguem a linearidade do movimento. (Não devem ser, admito.) Não chego a conclusões, só a novos questionamentos. 
                       

                     Deveria ser assim sempre, ou em algum lugar esqueci de manter a ininterrupção dos momentos?

10.6.14

FÁCIL

Dormir cedo e acordar cedo. Tomar mais água. Aceitar que vinho é uma bebida alcoólica como qualquer outra e não algo bom para a saúde em supostas pequenas doses. Aceitar que não sei o que são pequenas doses. Comer salada e frutas no inverno. Jogar o celular no lixo. Ler uma poesia por dia. Correr todas as manhãs.

Estudar assuntos que não sei. Ler diariamente assuntos não correlacionados ao direito. Ler os livros que compro. Parar de usar cheque especial. Economizar dinheiro. Fazer minhas unhas semanalmente. Tirar a maquiagem antes de dormir. Não falar alto. Nunca.  Estudar diariamente. Voltar para o yoga. Começar pilates. Organizar meus horários para fazer tudo que quero em apenas uma vida. 




Trecho retirado (e alterado aos meus interesses, claro) do texto publicado no Assim Falou Szabatura.

18.5.14

...

De-me livros
De-me cartas
De-me esperança
E assim, de mim, fará uma mulher feliz.


De-me realidade e me afundará.